.

.

.

.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Especial - 160 anos do País de Caruaru por Frank Junior


No principio era o Barro, lá por volta de 1909, de baixo do mistério das 7 luas. Caruaru: terra de Vitalino, que foi vender boi, cavalo e gato maracajá naquela feira que Onildo Almeida falou por volta de 1956 que “tudo que há no mundo tem na feira de caruaru”, e a cidade é do mesmo jeito, quer ver? 

Terra de Galdino e seus sonhos grotesco-fantásticos (Babau, Jericó e Lobisomen), do Mané Pãozeiro, da Catrevage e do Lampião-Sereia. E por falar em criaturas fantásticas, já apareceu até vampiro em Caruaru, entre 1980 e 1986, que aparecia de meio dia, e o bumba meu boi (representado pelo Boi Tira Teima), tava lá pelejando contra ele. Galdino inclusive sabe dessa história, Tavares da Gaita aparece também fazendo instrumento de percussão com coco seco (O Quenga-Som), ta tudo gravado numa Super 8. 

Quando o assunto é coco, lá na Rua Preta (sim, é assim mesmo, em maiúsculo) tinha coco, e um dos grandes nomes era Jacinto Silva, que fez até um “coco em M” (e se juntou uma vez com Onildo Almeida pra falar sobre as “Gírias do Norte”). No âmbito de fazer instrumento, João do Pife e Sebastião Biano já fazem pífano desde sempre. João do Pife mesmo foi fazer pife nos EUA (o único pife afinado em exatos A 440Hz foi feito lá nos EUA com João do pife e a ajuda de uns estudantes de música e matemática). Já Sebastião Biano teve sua “Pipoca Moderna” gravada por Gil em 1972 (em plena tropicália), e depois Caetano contribuiu colocando a letra em 1975 (ficou uma “Jóia” mesmo). Até do manguebeat a Pipoca Moderna de seu Sebastião participou numa versão de Mestre Ambrósio na década de 90. 

O País de Caruaru tem o “tengo lengo tengo” de Nelson Barbalho, escritor, poeta, compositor, que dentre suas músicas escreveu “A Morte do Vaqueiro”, gravada por Luiz Gonzaga em homenagem a Raimundo Jacó, cujo assassinato motivou a Missa do Vaqueiro em Serrita. E foi a partir do “Canto Livre” de um determinado médico (o Doutor do Baião: Janduhy Finizola), que compôs música pra missa inteira, eternizada no primeiro LP do Quinteto Violado chamado “Missa do Vaqueiro” com essas composições de Janduhy. E no “Balanço Geral” dessa história toda, ele diz: 
“Geral, na hora do verso, 
eu sou o universo, 
não posso falhar (...) 
Geral, acorde meu dia, 
me traz alegria e 
razão pra mudar”. 

Já na década de 90 um “Coletivo” de “Sobreviventes”, observavam tudo pela “Pedra do Urubu”, fazendo um “hardcore de Lampião”. Era reflexos do pós-mangue influenciando as produções culturais na cidade, e foi nessa época também que apareceu Cordel Virtual, e bandas que se esquivavam de balas de 500Mhz, e outras que pareciam Ave de Rapina com um bacamarte, no Tabuleiro do Mundo. 

Caruaru, terra de Camarão, de Branco, de Buca, de Lula do Mel, de Ed Bernardo, de mestre Dila da xilogravura e do cordel, de Zé Caboclo, de Manoel Eudócio, de mestre Edvaldo, de Edmilson do Pife, de Marcos do Pífano, de Anderson do Pife, de Andinho do Pife, da Casa do pife, de Roberto Gercino do Boi Tira Teima, de Sebá Alves do teatro e do Mamusebá, de VItal Santos, de Jadilson Lourenço, de José Condé, de Azulão, de Thera Blue, de Tião Cavalcanti, de Ivan Bulhões, de Ivan Márcio, de Nato Villa Nova, de Antonio Preggo (o qual é de sua autoria a foto que ilustra esse texto)….e de mais um monte de gente que faz dessa cidade um país. 

Como diria o caruaruense Carlos Fernando numa composição chamada “Caruaru City Jazz” sobre um texto de Pissica (grande nome da fotografia caruaruense entre a década de 60-80). No qual Geraldo Azevedo gravou em seu primeiro LP em 1976, que por motivos de censura e ditadura mudou o nome da faixa para “Coração do Agreste”. Caruaru, nesse aniversário de 160 anos: 
“quero ver você sorrir, 
quero ver você cantar, 
quero ver você menina, 
num galope à beira-mar”

Frank Junior
Desenvolver de software e pesquisador

2 comentários:

  1. Obrigada Caruaru, se tô no norte, se tô no sul, nunca me esqueço de Caruaru �� Parabéns pra Princesinha do agreste!

    ResponderExcluir
  2. O país de Caruaru é de gostar e se apaioxonar. Frank, parabéns por ter nacionalidade de Caruaru em sua certidão de nascimento =)

    ResponderExcluir