.

.

.

.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Muito dinheiro com cachês e pouca atenção à cultura

Arte: Samuca
Tratamento é desigual: alguns cantores e bandas a peso de ouro
e artistas populares, a preço de banana
Quem ganha seu suado e honesto dinheirinho, que ainda tem neurônios sobrevivendo aos bombardeios políticos diários, fica se perguntando o óbvio: como pode a crise alardeada pelos municípios não se aplicar às contratações de artistas e bandas para o ciclo junino de cidades onde a festa tem maior expressão? O caso de Gravatá (Agreste), por exemplo, pode servir para ilustrar esta dúvida, embora o festival de cachês gordos pagos por gestores no estado seja uma espécie de doença crônica de estimação, em nível de epidemia e imune a qualquer piora nas contas públicas. Longe de representar as tradições juninas mais autênticas de Pernambuco, Aviões do Forró fez três shows em três cidades e teve a conta bancária robustecida com mais R$ 620 mil. No entanto, recebeu de Gravatá R$ 280 mil, o dobro pago por Caruaru (R$ 140 mil), valor logo justificado pela prefeitura e pela própria banda com explicações que podem satisfazer do ponto de vista legal, mas não do ponto do moral, bastando se imaginar a própria (e dura) realidade enfrentada pelas populações menos favorecidas, às quais são oferecidos serviços públicos para lá de precários. E o que dizer da pequena Bom Conselho (Agreste Setentrional), que está muito longe de ter uma arrecadação parecida com a de Caruaru e a de Gravatá desembolsando R$ 200 mil por uma apresentação da banda? Fica parecendo que a inversão de prioridades manda que o “circo” supere em muito o “pão”, embora a História não se canse de encarregar o futuro de nos cobrar fatura ainda mais pesada.
De fato, os escândalos não servem como aprendizado e as explicações para isso não poderiam ser mais simples e repetidas: faltam fiscalização rigorosa sobre eventos culturais e de entretenimento, mecanismos que motivem a população a acompanhá-los e que não deixem margem para irregularidades como tantas já denunciadas inúmeras vezes. Não é fácil, pelo tamanho do barulho, esquecer a polêmica envolvendo o cearense Wesley Safadão, outro cujo trabalho tem tanto a ver com a festa quanto a orquestra Sinfônica de Berlim com o carnaval carioca. Depois de um show pelo qual foram cobrados astronômicos R$ 575mil, o Ministério Público de Pernambuco fez a prefeitura cancelar o pagamento e obrigar os patrocinadores do artista a arcar com a conta. No entanto, um ano depois, o também pobre cofre da Prefeitura de Carpina (Zona da Mata), a terra do cultíssimo autor de novelas e escritor Agnaldo Silva, se abre para pagar R$ 450 mil por uma apresentação, dia 28, do cantor. Carpina está muito longe de ser um primor de zelo pelo direito da população a serviços básicos como saúde, educação e segurança. Ainda que fosse, pagar quantia tão alta por um show sem qualquer identidade com as tradições juninas do estado revela, no mínimo, o tamanho da distância que separa gestores públicos de prioridades como a preservação da cultura.
As distorções são tamanhas que basta avaliar a grade de programação de um grande polo junino para se ter uma ideia do quanto a cultura popular recebe “esmolas”. Em 2016, em Caruaru, enquanto Wesley Safadão, Luan Santana, o baiano Bell Marques e a banda Aviões do Forró (todos donos de trabalhos que não 280 mil e R$ 250 mil, respectivamente, a banda de pífano Vitoriano Jovem
refletem a essência da festa) eram contratados por R$ 575 mil, R$ 325 mil, R$
artistas populares equivale a uma cesta básica resumida, com itens de terceira recebia R$ 3,5 mil, o repentista Luciano Leonel, R$ 500, e os declamadores Jenerson Alves e Dorge Tabosa, R$ 200, cada um. Neste caso, o cachê dos clara entre produtores artísticos e contratantes. Mal comparando, parece que categoria. É uma remuneração indigna, que só serve para desqualificar as tentativas de se ter os bens culturais a salvo da relação ainda muito pouco pipoca. Não é nada engraçado.
Por Lucre Pereira - Diário de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário