.

.

.

.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

"Na pisada dos Cocos" chega à Caruaru através do Sonora Brasil


Criado em 1998, o Sonora Brasil tem no seu DNA o trabalho de formação de novos ouvintes musicais. Com o objetivo de divulgar artistas que trabalham com músicas não comerciais e valorizar a cultura regional, o Sonora iniciou sua 20ª edição no dia 24 de maio, no Sesc Palladium, em Belo Horizonte (MG), com as apresentações dos grupos Samba de Pareia da Mussuca (SE) e Quinteto de Metais da UFBA (BA). Agora chegou a vez de Caruaru.
No próximo sábado, 15, às 20 horas, no Teatro Rui Limeira Rosal, tem o "Na pisada dos cocos".
O tema ‘Na pisada dos cocos’ vem circulando pelos estados do Norte e Nordeste com os grupos Coco de Zambê (RN), Samba de Pareia da Mussuca (SE), Coco do Iguape (CE) e Coco de Tebei (PE). Os artistas apresentam as variantes da musicalidade típica da região Nordeste (litoral e interior), nascida em aldeias indígenas e comunidades quilombolas, com canto, dança e música, acompanhados por instrumentos de percussão, como bumbo, ganzá, pandeiro, caixa.
Desde sua criação, o Sonora Brasil já realizou 5.319 apresentações de 80 grupos, alcançando cerca de 520 mil espectadores.
Resultado de imagem para coco de praia do iguape
Coco do Iguape (CE) NO SESC CARUARU
Aquiraz fica a 30 Km de Fortaleza, no litoral cearense, e a Praia do Iguape, localizada neste município, que foi a primeira capital do estado do Ceará, é onde moram os integrantes do grupo. Eles praticam a pesca artesanal, principal atividade econômica da região, e são liderados pelos mestres Raimundo da Costa, que desde os dez anos de idade, como ele mesmo conta, pratica o coco de embolada e Chico Caçuêra.

Segundo pesquisadores, o Coco do Iguape tem uma característica peculiar que é o andamento mais acelerado e uma dança mais “pulada”. Como outros cocos do litoral, o grupo se apresenta descalço, como os pescadores costumam andar. A vestimenta é feita artesanalmente com o mesmo tecido usado nas velas das jangadas e tingida com a tinta retirada da casca do cajueiro azedo, árvore encontrada na região.

Os instrumentos utilizados pelo grupo são o caixão (espécie de Cajon), que é feito de madeira em forma de caixa, permitindo que o tocador fique sentado sobre o instrumento, e o ganzá, espécie de chocalho feito com latas reutilizadas, ambos fabricados pelos próprios integrantes. O triângulo, pouco encontrado em grupos de coco, foi inserido a partir de influências externas.

SERVIÇO
Sonora Brasil - Na Pisada dos Cocos
Dia: Sábado, 15 de julho.
Hora: 20 horas 
Local: Teatro Rui Limeira Rosal (SESC Caruaru)
Classificação etária livre 
Entrada franca

Nenhum comentário:

Postar um comentário