OS INCRÍVEIS 2

julho 05, 2018


Com as mesmas ações, causou a sensação de que já assistimos isso antes.

Em 2004 chegava aos cinemas a animação da Disney-Pixar Os Incríveis, que contava uma história onde os super-heróis conviviam entre as pessoas, até que em uma ação mal sucedida, eles são banidos e proibidos de atuarem no salvamento das pessoas. Uma família tenta viver normalmente como seres humanos comuns, se adaptando ao cotidiano chato e enfadonho das pessoas. Beto Pêra, o Sr. Incrível, se recusa viver assim e com a ajuda de seu fiel super amigo, Gelado, voltam a combater o crime as escondidas, até que uma situação incomum, traz de volta o Sr. Incrível a ativa.


O primeiro filme caiu nas graças do público, a crítica elogiou e nas bilheterias o filme arrecadou mais de U$ 600 milhões em todo o mundo. Um sucesso inegável, inquestionável, a parceria Disney-Pixar provou mais uma vez, dar muito certo, fazendo uma animação repleta de ação, mas com uma pegada focada na família e na responsabilidade de se viver em união. Lógico, era natural a espera de uma segunda parte, até porque o final do filme, deixou uma brecha para essa expectativa.
Depois de longos e pesados 14 anos, temos a estreia de Os Incríveis 2 onde mostra a família de super-heróis mais uma vez, porém, Helena é quem assume o holofote, deixando Roberto em casa com Violeta e Flecha para conduzir a heroica rotina de uma vida normal. É uma transição difícil para todos, que se complica ainda mais levando em conta que a família ainda não sabe dos superpoderes do bebê Zezé. Quando o Hipnotizador, um terrível vilão traça um plano perigoso e brilhante, a família e Gelado precisarão encontrar um jeito de trabalhar juntos novamente, o que é mais fácil de dizer do que de colocar em prática, mesmo todos eles sendo realmente incríveis.

Embora  o filme aborde as questões familiares e traga uma reflexão social sobre a inversão de papéis onde agora o homem fica em casa cuidando dos afazeres domésticos e a mulher sai para trabalhar, eleva toda competência com que a mulher executa suas tarefas, sejam elas domésticas ou profissionais e chamar a atenção para os momentos especiais que a mulher deixa de presenciar no desenvolvimento de seus filhos, mostrando que para se dedicar também ao trabalho, exigem certas renuncias e tenta ressaltar a capacidade  do homem se sair bem em assumir afazeres domésticos, mostrando que as vezes o sexo masculino só reconhece os esforços femininos quando passam pela mesma situação, deixando claro que até nos trabalhos mais simples onde eles pensam que são fáceis de serem executados, requer prática, paciência e dedicação.

Infelizmente a continuação não é tão boa quanto o primeiro filme e essa segunda parte consegue ser extremamente cansativa em vários momentos, prolongando desnecessariamente alguns fatos numa exaustiva tentativa de se fazer algo novo. A trama tem uma pegada  parecida com a do primeiro, nos levando a ter a sensação de que já vimos isso antes e o diretor Brad Bird deve ter ficado com certo receio em tentar inovar, nos entregando um filme repetitivo, extremamente longo e desnecessário, pois ele estica ao máximo algumas situação as quais se resolveriam em alguns minutos. Fato frustrante, afinal, o expectador quando começa a se inquietar na poltrona do cinema, é porque o filme não está agradando.



Mesmo os novos elementos que adicionados a trama como o casal de irmãos, os quais são fascinados pelos super-heróis e aparentemente estão empenhados em resgatar a era dos super seres novamente e os poderes do bebê Zezé, que estão totalmente fora de controle não podemos considerar como uma novidade pois já fica bem previsível que uma família formada por seres todos com poderes, o novo membro também poderia ter, mas se o Zezé não os tivesse, talvez seria um fato novo a ser explorado de forma diferente, embora as cenas com ele e com a Edna Moda são as mais divertidas do filme, temos que admitir, mas isso não preenche o vazio na falta de uma evolução, um desenvolvimento maior na exploração destes personagens. Outro também subaproveitando foi o Gelado, ele tem uma participação forte na cena inicial do filme, depois desaparece para reaparecer rapidamente no final, mesmo assim, sentimos falta de mais participação para este personagem. Outra questão pouco aproveitada é presença de vários super-heróis, onde não tiveram tempo para ser explorado um pouco de seus passados, mesmo problema aconteceu no primeiro filme, onde vários apareceram e depois simplesmente sem explicação, sumiram.


As bilheterias estão provando o sucesso da sequência, sem dúvida uma terceira parte deverá acontecer porque mesmo com tantas falhas, o filme tem ritmo para uma terceira parte do ponto de vista estético, embora não vejo nenhuma necessidade para isso. Tomara que não leve tanto tempo quanto levou essa segunda e que se acontecer, que  mais espaço seja dedicado  para o Zezé, Edna Moda, Gelado e outros super-heróis mostrarem todo seu potencial.

  No fim, Os Incríveis 2, não tem o brilho do primeiro, mas como filme direcionado para as crianças, cumpre seu papel de entretenimento, diversão e em tempos de férias escolares. É uma ótima pedida para os pais levarem seus pequenos que com certeza, vão se divertir a valer nessa aventura despretensiosa voltada para esse tipo de público.
#Assista
#osIncríveis2
#Filmenotacinco

PROGRAMA CLUBE DO FILME


Neste Sábado, a partir das 13h, vai ao ar pela Rádio Cultura do Nordeste AM 1130, o PROGRAMA CLUBE DO FILME. Apresentado por Edson Santos e Mary Queiroz, receberá nos estúdios da Cultura, a presença de Jonathan Julian, que vai falar sobre o lançamento do seu livro Me dê seu líder, Pégaso. Um estudo dos perfis de liderança presentes nos Cavaleiros do Zodíaco. O livro é fruto de um trabalho de conclusão de curso (TCC) escrito pelo autor Jonathan Julian, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
O autor transformou o trabalho em um livro analisando as personas de Seiya de Pégaso, Shiryu de Dragão, Hyoga de Cisne, Shun de Andrômeda e Ikki de Fênix do desenho "Cavaleiros do Zodíaco", que foi lançado no Brasil em 1994. Também conosco, Thiago Vegas, que fará comentário sobre o filme Homem-formiga e a Vespa, que estreou essa semana nos cinemas
Acesse e confira: radioculturadonordeste.com.br
   
 ESTREIA DA SEMANA


HOMEM-FORMIGA E A VESPA
Dois anos depois dos eventos de Capitão América: Guerra Civil, e antes dos eventos de Vingadores: Guerra Infinita, Scott Lang, agora em prisão domiciliar após os eventos da Guerra Civil, tenta equilibrar sua vida doméstica como um pai com suas responsabilidades como Homem-Formiga. Quando Hope van Dyne e Hank Pym apresentam a ele uma nova missão para revelar segredos de seu passado, Lang se une a Van Dyne como a nova Vespa.

As conversas para uma sequência de Homem-Formiga começaram logo após o lançamento do filme, com Homem-Formiga e a Vespa sendo anunciados oficialmente em outubro de 2015, com Rudd e Lilly retornando para retomar seus papéis. Reed se juntou oficialmente ao longa-metragem para dirigir, também retornando como o personagem homônimo. As filmagens ocorreram entre agosto e novembro de 2017 em Pinewood Atlanta Studios, no condado de Fayette, área metropolitana de Atlanta e Savannah. Filmagens adicionais aconteceram em San Francisco e no Havaí. Homem-Formiga e a Vespa está programado para ser lançado em 6 de julho de 2018 nos Estados Unidos nos formatos convencional, 3D e IMAX.




Você pode gostar também

0 comentários